Cuidado com seu travesseiro

Compartilhe:

Dormindo com o inimigo

Não. Não estou falando do famoso filme dos anos 90, mas de algo bem mais próximo a você: sua roupa de cama, mais especificamente seu travesseiro!

Fala a verdade, você se lembra a última vez que lavou seu travesseiro? Não estou falando da fronha que, aliás deve ser lavada uma vez por semana, mas do travesseiro mesmo, aquela parte com enchimento de pena, de fibra, de espuma ou qualquer outra. Aposto que você não consegue lembrar. Tudo bem, não precisa ficar com vergonha, você não está sozinho, só não deixe acontecer de novo, porque isso pode ocasionar vários problemas.

Um objeto aconchegante… para fungos.

Um estudo publicado em 2005 por pesquisadores da Universidade de Manchester, mostrou que travesseiros comuns usados contém uma carga substancial de muitas espécies de fungos.

Eles analisaram 10 travesseiros com idade entre 1,5 a 20 anos de uso regular. Neles foram encontrados mais de 50 espécies de fungos. Sendo que a quantidade de espécies por travesseiro variou de 4 a 16, com um número maior em enchimentos sintéticos. As três espécies mais comuns foram Aspergillus fumigatus (que afeta os seus pulmões), Aureobasidium pullulans e Rhodotorula mucilaginosa (uma levedura de rápido crescimento).

Problemão para quem tem complicações respiratórias

O que motivou o estudo foi o aumento de caso de asma no Reino Unido, a hipótese é de que com o aumento da troca de travesseiros de pluma pelos sintéticos as pessoas ficaram mais expostas aos fungos. No estudo provou-se que os travesseiros sintéticos têm sim mais espécies únicas em comparação ao de pena, isso porque as fronhas dos travesseiros sintéticos costumam ser mais porosas, pois não precisam de tanto para segurar o enchimento.

Sabemos que não necessariamente um fungo é prejudicial à saúde, mas dentre as espécies encontradas muitas podem implicar graves problemas em quem tem problemas respiratórios, especialmente asma e sinusite.

Isso tudo e ainda estamos falando sobre fungos, não podemos esquecer também os bichinhos que vivem com a gente, os ácaros. Eles estão por todo lado e adoram um ambiente aconchegante como tapetes, bichos de pelúcia, cobertor e travesseiros, se for úmido então, perfeito. Existem diversas espécies de ácaros, as mais comuns que vivem em casas, em geral não prejudicam tanto a saúde humana, a menos que a pessoa seja alérgica, aí não tem jeito, tem que prevenir mesmo.

Agora que você sabe os problemas, segue algumas dicas para te ajudar a cuidar de seus travesseiros:

– Lave semestralmente e como manda a etiqueta

A gente sempre fala aqui da importância de seguir as instruções das etiquetas, para travesseiros e almofadas vale a mesma regra. Lave e seque entre 6 em 6 meses, por aí.

– Não deixe exposto ao sol

O sol, devido aos raios ultravioletas, elimina bem microrganismos das roupas, mas porque faz isso na superfície. No caso dos travesseiros e almofadas, os fungos e os bichinhos ficam no centro, ou seja, não são atingidos pelos raios solares. Além disso, cria-se ambiente repleto de umidade, resíduos de pele, gordura e secreções da cabeça, o que aumenta mais ainda a proliferação de fungos, ácaros e bactérias.

– Use um protetor de travesseiro

O protetor ajuda a barrar esses organismos, impedindo-os de chegar a superfície. Mas não esqueça de lavar toda semana, ou no máximo a cada quinze dias.

– Seque muito bem

Deixar o travesseiro úmido pode ocasionar os mesmos problemas que deixar exposto ao sol. Por isso, se for lavar em casa, centrifugue bem e deixe na secadora. Caso você não tenha uma secadora, o indicado mesmo é levar na lavanderia, pois só assim ficará bem limpo, ele não será exposto ao sol e nem ficará úmido.

– Não lave a seco

A lavagem a seco é feita com muitos produtos químicos, seu travesseiro não ficará úmido, mas pode te prejudicar da mesma maneira, pois você vai dormir respirando gases tóxicos. A melhor forma de lavar é no sistema Wet Cleaning.

Deixe_seu_travesseiro_laundryeco

Compartilhe:

Conversas

comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *